Preconceito e mentira

Em recente entrevista à Visão, que se pode ler aqui, o Ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, teve o azar de uma jornalista bem documentada abordar a questão da cruel e violenta carga letiva semanal a que estão sujeitas as crianças do 1.º Ciclo.
«Como reduzir a carga horária dos alunos do 1º ciclo ou reequilibrá-la melhor entre várias áreas e tipos de aprendizagem? Há duas questões. Por um lado, ao reafirmarmos a monodocência como essencial no 1º ciclo, estamos a permitir que o principal instrumento de integração entre áreas curriculares seja efetivado. Por outro lado, no âmbito do trabalho em curso sobre o currículo e a sua gestão, uma das matérias em cima da mesa é a discussão sobre a carga horária semanal, de todos os ciclos, não só do 1º.»
A resposta é mais clarificadora do que alguns poderiam presumir. A “reafirmação da monodocência” serve apenas os interesses económicos de uma tutela que nada pretende alterar porque quer, conscientemente e em prejuízo dos alunos e dos professores, garantir a “escola a tempo inteiro” à custa dos docentes do 1.º Ciclo, perpetuando assim a ignóbil exploração profissional de um grupo de especialistas altamente qualificado.
Mas o PIOR vem depois quando o ministro, a respeito da desigual carga letiva (1 500 min no 1.º Ciclo vs 1 100 min a partir do 2.º Ciclo), troca os pés pelas mãos, obliterando conscientemente pressupostos e factos elementares. Diz ele: «(…) no âmbito do trabalho em curso sobre o currículo e a sua gestão, uma das matérias em cima da mesa é a discussão sobre a carga horária semanal, de todos os ciclos, não só do 1º.»
Em política, quando se utiliza a expressão “é uma das matérias em cima da mesa”, quer-se dizer que falaremos disso entre um café e uma bolacha. Mas o Sr. Ministro borra voluntariamente a pintura quando ousa, por meio de um discurso farisaico, a roçar o topete gratuito, insinuar que todos os docentes estão em igualdade de circunstâncias, incluindo o 1.º Ciclo. Senhor Ministro, não. Não estamos. Os docentes a partir do 2.º Ciclo gozam de um conceito de tempo letivo e de carga horária semanal diferentes. Pelo mesmo salário, repete-se, os docentes do Pré-escolar e do 1.º Ciclo, trabalham 1 500 min e os pares dos níveis subsequentes 1 100 min, uma injustiça agravada pela questão intervalo e do calendário escolar que V. Exª. manteve e agravou. Um diferencial de 1 600 min/mês que voa para os cofres do Estado.
Honestidade intelectual precisa-se. Principalmente, na res publica.
Para o 1.º Ciclo, esta equipa ministerial nada quer verdadeiramente alterar ou corrigir. Segue a mesma sanha persecutória dos sindicatos de professores: sacrificar e apoucar os que julga ou tem por mais fracos.
Comentário: Faltou acrescentar de forma clara, que mais uma semana de aulas em relação aos ciclos seguintes, foi adicionada no mês de junho.
Esta entrada foi publicada em primeirociclo. ligação permanente.

Deixe a sua opinião

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s