As sombras…Luis Costa

[…]Sombras – São  um faz de conta, um jogo de espelhos, um teatro de sombras… uma mó de do granito a transformar paciência e inteligência em pó de submissão. Já (quase) ninguém diz o que realmente pensa, já (quase) ninguém discorda, já (quase) ninguém sabe dizer “não”. Já (quase) ninguém é capaz de dizer que o rei vai nu, mesmo que todos os olhos o vejam pudibundamente exposto. Se uma boca fala… a sala cala… até que o ruído rebarbativo seja engolido pela insonora solidão. Desolação sobre desolação, pirâmides de pedra e negação.[…]

Esta entrada foi publicada em primeirociclo. ligação permanente.

Deixe a sua opinião

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s