Vamos lá dar a volta a isto!

TEMOS QUE (RE)AGIR

(retirado da página “Quem se Preocupa com os Professores do 1º ciclo?”)

Em face das mais recentes injustiças, desafiamos todos os amigos e Professores do 1.º Ciclo a tomarem posição sobre as decisões anunciadas.
Por compreendermos que as pessoas, nesta altura, estão exaustas e com pouca inspiração, propomos que copiem & colem o texto em baixo:

«Com a publicação do Calendário Escolar para 2016/2017, todas as expectativas dos docentes do 1.º Ciclo se desvaneceram e a réstia de esperança numa situação de trabalho mais favorável, consumiu-se.
Malgrado os pareceres das instâncias que analisam o Processo Educativo, do Senhor Provedor de Justiça – o qual afirma, muito claramente, que a “Administração Educativa não tem habilidade legal “ para alterar o conceito de “hora letiva “ constante do E.C.D. porque “a norma apela ao conceito geral de hora/ 60 minutos”, malgrado as opiniões técnicas de pedopsicólogos, pedopsiquiatras e outros especialistas de desenvolvimento infantil, veiculadas em várias publicações, os condicionalismos do nível mais infantil do Ensino Básico prosseguem, sem que quem legisla se preocupe com os males que causa às crianças, com a improdutividade de tanta carga curricular e letiva, que o desenvolvimento intelectual daquela faixa etária não permite seja assimilada. A Escola torna-se uma “prisão”, um local detestável para a maioria dos alunos.
Só quem não pondera devidamente, não pode concluir que o “castigo” dos professores, a sobrecarga de horário, a não integração dos intervalos na componente letiva, e agora, a maior extensão do Calendário Escolar, penaliza os alunos de duas formas: pela anteriormente referida e pelo cansaço doentio dos docentes (aumentado com os anos de serviço) que não lhes permite ser tão eficazes como seria desejável à faixa etária com que trabalham, aos problemas comportamentais e disfuncionais dos alunos, eles próprios agravados pela dinâmica da Escola.
Alguém crê que o cérebro de uma criança consegue estar 5 (cinco) horas diárias, em média, em aprendizagem de conceitos, a memorizar técnicas de escrita, a executar estratégias de resolução de problemas?? Será possível um ser humano, dos 5 (cinco) aos 9 (nove) anos de idade, ter capacidade de permanência no mesmo espaço, por vezes durante 12 (doze) horas? É o que acontece quando os pais são obrigados a deixar os filhos das 7h:30 minutos da manhã, às 7h:30 minutos da tarde, no espaço escolar.
É necessário reverter esta situação, este ciclo vicioso. Não podemos continuar a utilizar a especificidade da função docente, na qual o professor não pode mostrar o tempo despendido na componente de trabalho individual, para fazer dele um cidadão sem direitos, e no 1.º Ciclo, um ser escravizado, com uma carga letiva superior aos seus pares em 400 minutos semanais e com uma componente não letiva de estabelecimento, em que os 150 minutos atribuídos se esgotam na vigilância de intervalos (caso estes só tenham a duração de meia hora por dia). Então de onde se retira o tempo para atendimento aos Encarregados de Educação? E o tempo para reuniões, supervisões, articulações e aplicações do Plano Anual de Atividades, com festas e visitas em horários favoráveis à participação dos pais?
Deveria o atual Despacho de Organização do Ano Letivo, já que temos um Governo novo, que tornou expectável uma maior preocupação com as questões sociais, ser o resultado de uma avaliação da eficácia de medidas anteriores, da audição dos docentes, de uma correta intervenção nas escolas, sem aviso prévio, verificando com clareza o que se passa nestas instituições, não com sentido punitivo, mas com o rigor necessário. Isso não se verificou.
Há professores, do 1.º Ciclo, exaustos. Há professores do 1.º Ciclo a serem levados de ambulância das escolas onde trabalham. Prestar atenção, analisar e mudar é uma urgência.»

para os seguintes endereços:

Grupos Parlamentares – http://www.parlamento.pt/Paginas/Correio.aspx
Provedor de Justiça – http://www.provedor-jus.pt/?idc=34
FNE – secretario.geral@fne.pt
FENPROF – fenprof@fenprof.pt

GRUPOS PARLAMENTARES:
gp_psd@psd.parlamento.pt

gp_ps@ps.parlamento.pt

bloco.esquerda@be.parlamento.pt

gp_pp@cds.parlamento.pt

gp_pcp@pcp.parlamento.pt

PEV.correio@pev.parlamento.pt

Pan.correio@pan.parlamento.pt

Presidência da República:

belem@presidencia.pt

1.º Ministro:

Gabinete PM <gabinete.pm@pm.gov.pt>

Obs. – Podem alterar o texto e até mesmo remetê-lo para outros endereços. O importante é fazer(mos) algo. Likes no Facebbok não chega. A Fenprof tomou ontem uma posição mansa e frouxa, uma mão cheia de nada, do género “discordamos mas nada faremos”. A Fne acabará por lhe seguir as pisadas. Temos de ser nós a defender o que temos por justo e urgente. Está visto: ninguém o fará por nós. Partilhem. Divulguem.

Esta entrada foi publicada em primeirociclo. ligação permanente.

Uma resposta a Vamos lá dar a volta a isto!

  1. Morais diz:

    Eu já enviei… e já partilhei

    Gostar

Deixe a sua opinião

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s